Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.

Histeroscopia cirúrgica

A histeroscopia ou vídeo-histeroscopia é uma técnica que pode ser realizada de duas formas: diagnóstica, indicada para investigação da cavidade uterina e tratamentos de baixa complexidade de patologias que afetam a região, ou cirúrgica, indicada para o tratamento mais complexo de doenças e outros problemas que afetam a cavidade uterina, como malformações.

Em ambos os casos, é utilizado o histeroscópio, instrumento dotado de um sistema ótico e câmera com iluminação para o exame visual da cavidade uterina e maior precisão na intervenção cirúrgica, quando for o caso.

A histeroscopia diagnóstica é considerada um exame e pode ser feita no consultório médico ou no laboratório, sem a necessidade de anestesia ou internação. Já a histeroscopia cirúrgica é considerada, como o termo indica, um procedimento cirúrgico, exigindo toda a infraestrutura necessária a uma operação.

Neste texto, vamos abordar especificamente a histeroscopia cirúrgica, as indicações e como é realizado o procedimento.

A histeroscopia cirúrgica

A histeroscopia ou vídeo-histeroscopia cirúrgica é uma técnica minimamente invasiva indicada para o tratamento de diversas patologias que afetam a cavidade uterina. O útero é um órgão vital para a fertilidade feminina, portanto a histeroscopia cirúrgica também é uma técnica importante para a reprodução assistida.

Ela é indicada para investigação da cavidade uterina após alterações em exames de imagem, como ultrassom transvaginal e ressonância de pelve. Esse exame também está indicado em mulheres com antecedente de falhas de implantação e abortos de repetição.

Indicações

Histeroscopia é o termo utilizado apenas para denominar as técnicas que utilizam o histeroscópio como instrumento de intervenção. No entanto, a cirurgia que será realizada recebe o nome do tipo de operação. Por exemplo, podemos indicar a histeroscopia cirúrgica para a realização de polipectomia, que é a retirada de pólipos endometriais.

A histeroscopia é indicada principalmente para o tratamento de patologias e malformações presentes na cavidade uterina:

A histeroscopia cirúrgica é um dos principais tratamentos de patologias que podem afetar o útero.

Mulheres grávidas não podem realizar este procedimento. Devem ter o parto antes de se submeter à histeroscopia cirúrgica.

Como é feito o procedimento

A histeroscopia cirúrgica, embora seja minimamente invasiva, requer a infraestrutura de um centro cirúrgico, internação de cerca de 12 horas e anestesia.

Ela é realizada pelo canal vaginal com o auxílio do histeroscópio, que tem uma câmera e iluminação para fotografar e filmar o procedimento. Após a anestesia, o histeroscópio é introduzido pelo canal vaginal até chegar ao útero. O cirurgião visualiza todo o procedimento em um monitor que reproduz imagens em alta resolução.

Uma vez que o diagnóstico é feito previamente com exames de imagem (ultrassom, ressonância ou histeroscopia diagnóstica), o cirurgião tem a conduta cirúrgica planejada. Utilizando instrumentos especializados, mais calibrosos do que os utilizados na histeroscopia diagnóstica, ele realiza a operação. Cada intervenção tem sua própria conduta.

O pós-operatório é, de modo geral, simples e não requer cuidados especiais, mas o médico avalia cada caso e pode dar orientações conforme a necessidade.

Compartilhe:

Faça um comentário

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
O que é trombofilia e qual sua relação com a infertilidade?

Atualmente apontada como um dos fatores de infertilidade, a trombofilia é uma doença que causa […]

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 3846-2409 | (11) 3846-7335

(11) 99507-9291

Scroll