Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.

TESE e Micro-TESE

A infertilidade masculina é responsável por aproximadamente 40% dos casos de infertilidade conjugal. Diversas patologias, como varicocele, caxumba e infecções sexualmente transmissíveis, assim como outras condições, como a vasectomia, podem provocar infertilidade no homem.

Tanto as patologias como essas outras condições podem afetar a qualidade (motilidade e morfologia) e/ou a quantidade dos espermatozoides no sêmen, reduzindo as chances de fecundação e de implantação, pois a qualidade embrionária também diminui.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica os tipos de alterações seminais. As classificações mais comuns são:

A azoospermia, alteração mais preocupante no sêmen, pode ser causada por problemas na produção dos espermatozoides (não obstrutiva), que é a condição mais grave, ou por problemas no transporte dos espermatozoides pelo sistema reprodutor masculino (obstrutiva), impedindo sua ejaculação. Essa obstrução pode acontecer nos epidídimos ou nos canais deferentes, que ligam os epidídimos à vesícula seminal e por onde passam os espermatozoides antes de se misturarem ao líquido seminal para formar o sêmen.

Quando o homem tem diagnóstico de azoospermia e quer ter filhos, analisamos o caso com cautela para fazer a melhor indicação. Se a causa for alguma doença tratável, podemos iniciar o tratamento e observar pelo espermograma como os parâmetros seminais evoluem. Se a infertilidade for uma sequela de alguma doença ou resultado da vasectomia, como a caxumba, avaliamos a possibilidade de coletar espermatozoides diretamente dos epidídimos (PESA e MESA) ou dos testículos (TESE e Micro-TESE), dependendo do tipo de azoospermia.

Os testículos são cada uma das duas glândulas sexuais masculinas responsáveis pela produção de hormônios, como a testosterona, e dos espermatozoides. Depois da produção, os espermatozoides se deslocam para os epidídimos, onde amadurecem e ganham sua capacidade de se mover (motilidade).

Se a azoospermia for obstrutiva, é possível encontrar espermatozoides tanto nos epidídimos como nos testículos. Se for não obstrutiva, geralmente apenas são encontrados, em pequena quantidade, nos testículos.

Neste texto, vamos abordar o que são e como são feitas a TESE e a Micro-TESE, procedimentos que coletam espermatozoides diretamente dos testículos.

Caso queira saber sobre PESA e MESA, elaboramos um texto específico sobre o assunto.

Indicação

A TESE e a Micro-TESE são procedimentos que permitem a retirada de espermatozoides diretamente dos testículos. Mesmo se o homem tiver diagnóstico de azoospermia não obstrutiva, a TESE e a Micro-TESE podem ser indicadas, diferentemente da PESA e da MESA, que não conseguem, de modo geral, coletar espermatozoides dos epidídimos se os testículos não estiverem produzindo os gametas.

A Micro-TESE geralmente é indicada se a TESE não tiver sucesso ou não puder ser realizada. A diferença entre as técnicas é a utilização de um microscópio especializado (Micro-TESE) para localizar os túbulos seminíferos que possam conter espermatozoides.

Embora a azoospermia não obstrutiva indique ausência de espermatozoides no sêmen ejaculado, os testículos ainda produzem uma quantidade mínima de gametas, que não chegam a se misturar ao líquido seminal. Essa quantidade mínima, no entanto, se puder ser coletada, pode ser utilizada na fertilização in vitro (FIV).

Essa coleta também pode ser feita com a finalidade de criopreservar os gametas para utilização futura.

Como é realizado o procedimento

TESE significa testicular sperm extraction ou extração de espermatozoides dos testículos. Trata-se de um procedimento realizado para extrair gametas masculinos diretamente dos testículos para utilização na fertilização in vitro (FIV).

A Micro-TESE é semelhante à TESE, mas é uma técnica microcirúrgica de microdissecção dos testículos, ou seja, é um procedimento realizado com o apoio de um microscópio especializado.

Inicialmente, a TESE era indicada como técnica de biópsia testicular. Com o passar do tempo, ela foi aprimorada e passou a ser indicada para extração dos espermatozoides dos testículos, possibilitando ao homem uma maior chance de engravidar sua parceira.

A TESE e a Micro-TESE são os procedimentos com maior chance de recuperação de espermatozoides em casos de azoospermia não obstrutiva, pois conseguem retirar uma quantidade maior de células de diferentes regiões dos testículos para análise.

Ambas podem ser realizadas em ambiente ambulatorial com anestesia local. No entanto, enquanto na TESE o cirurgião realiza o procedimento a olho nu, retirando os túbulos seminíferos sem a análise microscópica, a Micro-TESE tem a vantagem de uma análise mais precisa em virtude do uso desse instrumento.

A análise do material coletado é feita durante a própria cirurgia. O cirurgião, de acordo com o resultado dessas análises, pode continuar a coleta no mesmo local ou mudar de lugar.

Em virtude da utilização do microscópio (maior precisão), o risco de danos testiculares é menor, assim como da presença de sangue no material coletado.

Conclusão

A TESE e a Micro-TESE são dois procedimentos fundamentais, no contexto da FIV, para oferecer ao homem a possibilidade de ter filhos com seu próprio material biológico.

O fato de a coleta dos espermatozoides ser feita por procedimento cirúrgico não altera as etapas da FIV nem suas altas taxas de sucesso. Com o desenvolvimento da injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI), tornou-se possível fazer a fecundação do óvulo com um único espermatozoide.

Dessa forma, se conseguirmos coletar uma quantidade mínima de espermatozoides de qualidade, já é possível realizar a FIV.

Compartilhe:

Faça um comentário

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Infertilidade masculina: sintomas e como identificar

A infertilidade afeta 15% dos casais pelo mundo, e a infertilidade masculina é responsável por […]

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 4750-1170

(11) 99507-9291

Scroll