Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.

Ultrassonografia pélvica

A ultrassonografia pélvica, também denominada ecografia, é um exame de imagem (por emissão de ondas sonoras, não de radiação, como o raio-X) de baixa complexidade e alta sensibilidade muito indicado na reprodução assistida para investigação e diagnóstico de diversas condições e patologias que podem afetar os órgãos da região pélvica feminina (útero, tubas uterinas, ovários e bexiga), assim como para acompanhar o desenvolvimento folicular durante a estimulação ovariana, procedimento realizado em todas as técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro (FIV).

Os resultados da ultrassonografia orientam as condutas terapêuticas para o tratamento da infertilidade, inclusive indicação de técnicas de reprodução assistida para aumentar as chances de gravidez.

Na ginecologia, a ultrassonografia também é um recurso obrigatório durante o pré-natal para monitorar o desenvolvimento do bebê no útero materno.

Neste texto, vamos abordar os tipos de ultrassonografias, como são realizados e as indicações.

Tipos de ultrassonografias

Existem diversos tipos de ultrassonografias: transvaginal, suprapúbica (ambas são ultrassonografias pélvicas, pois investigam essa área do corpo humano), de mama, de tireoide, obstétrica, ortopédica, entre muitas outras. Cada uma delas utiliza um instrumento (transdutores) específico, considerando o tipo de investigação a ser realizada.

Para a reprodução assistida, os dois tipos mais importantes de ultrassonografia são a transvaginal e a suprapúbica. A primeira é realizada pelo canal vaginal e a segunda é feita externamente, pelo abdômen da paciente.

Ultrassonografia transvaginal

A ultrassonografia pélvica transvaginal é um exame de imagem realizado no próprio consultório médico para avaliação interna dos órgãos da região pélvica e diagnóstico do que pode estar dificultando a gravidez. Por ser um exame interno, a qualidade das imagens é superior à técnica externa.

Não há necessidade de preparação para o exame. No momento da consulta, o médico orienta a mulher a ficar em posição ginecológica, protege a sonda com preservativo, utiliza gel lubrificante para facilitar o exame e introduz o aparelho (transdutor) pelo canal vaginal.

A sonda emite ondas sonoras, que fazem o mapeamento de todos os órgãos da região. As imagens são formadas em um monitor para que o médico acompanhe o exame e elabore o laudo, que contém fotos para facilitar a visualização.

Esse exame tem duração aproximada de 10 a 20 minutos, mas pode ser mais demorado, dependendo da investigação.

Não há necessidade de cuidados especiais depois do exame.

Existe uma modalidade especial de ultrassonografia para a investigação profunda da endometriose. O exame é denominado ultrassonografia especializada para endometriose. Esse exame requer preparo intestinal anterior ao exame. Trata-se de uma técnica para o diagnóstico e mapeamento minucioso dos focos da doença, orientando a conduta terapêutica.

Ultrassonografia suprapúbica via abdominal

A ultrassonografia suprapúbica não requer preparo. A mulher deve estar apenas com a bexiga cheia para facilitar a visualização dos órgãos.

Essa modalidade de ultrassonografia é realizada também no consultório médico e pode complementar os achados do exame via transvaginal. Aplica-se um gel no abdômen da mulher para facilitar a movimentação do transdutor e realiza-se o exame.

Esse exame também tem duração aproximada de 10 a 20 minutos, podendo ser mais demorado ou mais curto, dependendo da investigação.

Não há necessidade de cuidados especiais depois do exame.

Indicações

A ultrassonografia pode ser indicada para diversos tipos de investigação e pesquisas continuam sendo feitas para ampliar as possibilidades da técnica.

No âmbito da reprodução assistida, as principais indicações são:

A ultrassonografia pélvica é um exame de baixa complexidade que oferece muitas possibilidades de investigação para diagnóstico de condições e patologias que afetam a região pélvica feminina. De modo geral, não requer preparo, internação nem cuidados especiais posteriores; não tem contraindicações e pode ser indicada para diversas finalidades.

 

Compartilhe:

Faça um comentário

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
O que é trombofilia e qual sua relação com a infertilidade?

Atualmente apontada como um dos fatores de infertilidade, a trombofilia é uma doença que causa […]

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 3846-2409 | (11) 3846-7335

(11) 99507-9291

Scroll