Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Testes de função espermática

Os testes de função espermática são complementares ao exame de espermograma, mas nem sempre precisam ser realizados. Esses exames são solicitados quando os parâmetros seminais estão dentro da normalidade, a mulher não tem fator de infertilidade e o casal não consegue engravidar. Isso pode indicar alguma alteração na composição do espermatozoide que prejudique sua interação com o sistema reprodutor feminino.

O espermograma avalia o sêmen e os espermatozoides. Os testes de função espermática avaliam como os espermatozoides reagem às barreiras impostas pelo corpo feminino em seu trajeto até o óvulo nas tubas uterinas. Se houver alguma anormalidade, o homem pode apresentar quadro de infertilidade.

Neste texto, vamos apresentar as indicações, quais são os testes de função espermática e o que avaliam.

Indicações

Os testes de função espermática têm uma indicação bastante específica e, apesar de não serem solicitados com tanta frequência, constituem mais um recurso para avaliar a infertilidade do homem e do casal.

As indicações são para:

Quais são os tipos de testes de função espermática

Existem cinco principais testes de função espermática, com destaque para o de fragmentação do DNA espermático, atualmente o mais realizado.

O teste é feito da mesma forma que o espermograma, em laboratório. O homem deve se manter em abstinência sexual por 2 a 5 dias e realizar a coleta do sêmen por masturbação seguindo as orientações do exame.

Os testes são:

O teste de fragmentação do DNA espermático analisa se há danos no DNA dos espermatozoides e fragmentos desse DNA no sêmen. Existe uma associação da fragmentação do DNA espermático com a infertilidade masculina. Esse é um parâmetro seminal que, se alterado, pode ser  responsável por abortos de repetição.

Os leucócitos são células produzidas pelo sistema imunológico e que têm a função de combater organismos estranhos que entram no corpo. Se forem identificados em grande quantidade, podem indicar infecção e presença de radicais livres de oxigênio e anticorpos antiespermatozoides, o que pode prejudicar a fertilidade.

Os radicais livres são moléculas que tendem a se associar com outras moléculas. As espécies reativas de oxigênio são radicais livres que se ligam aos espermatozoides e prejudicam sua motilidade, podendo interferir na fertilidade.

Os anticorpos antiespermatozoides provocam o mesmo efeito que os radicais livres, prejudicando a motilidade dos gametas e podendo levar o homem a apresentar quadro de infertilidade.

O teste hiposmótico analisa a membrana plasmática do espermatozoide, que carrega proteínas necessárias à fecundação. Essas proteínas permitem a ligação do espermatozoide com o óvulo, dando início à fecundação. Alteração nessas proteínas pode diminuir a fertilidade masculina.

Esses testes auxiliam na avaliação da fertilidade masculina e de outras condições que podem causar esses distúrbios.

Compartilhe:

Faça um comentário

2 respostas para “Testes de função espermática”

  1. Carlos disse:

    Meu exame de perfuracao espermatica deu 100 por isso deve estar ruim. Pode me ajudar

    • Dra. Adriana de Góes disse:

      Olá, Carlos. A fragmentação do DNA espermático elevado pode estar associado com várias alterações, inclusive varicocele que é comum, estresse e está relacionado ao risco de aborto, então é necessário fazer uma avaliação médica mais detalhada para verificar esta alteração com exames em um intervalo de até duas semanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preparo seminal e FIV: qual a importância da técnica?

Também chamado de esperma, o sêmen é um líquido viscoso, com aparência esbranquiçada e que […]

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 4750-1170

(11) 99507-9291

Scroll