Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Adenomiose

Adenomiose

A adenomiose é uma doença que se caracteriza pela presença do tecido endometrial (epitelial), camada que reveste o útero internamente, no miométrio, camada muscular intermediária do útero. Além do endométrio e do miométrio, o útero é formado também pelo perimétrio, camada mais externa, constituída de tecido conjuntivo.

O útero é um órgão do sistema reprodutor feminino fundamental para a gestação. As doenças que o afetam podem dificultar a fixação do embrião, assim como a gravidez. Em alguns casos, a fertilização in vitro (FIV) pode ser indicada para mulheres que desejam engravidar e estão com dificuldades.

Neste texto, vamos abordar as causas da doença, assim como os sintomas mais comuns, os exames geralmente solicitados, como é realizado o diagnóstico, os tratamentos e a reprodução assistida nessa situação.

Causas

As causas da adenomiose ainda não são totalmente estabelecidas, mas existem algumas teorias para explicar a etiologia da doença.

Entre o endométrio e o miométrio existe uma região chamada zona juncional. Essa fina barreira impede que as células do endométrio entrem no miométrio e vice-versa. No entanto, em algumas mulheres, essa zona é rompida e essas células endometriais invadem o miométrio, causando a adenomiose.

Esse rompimento pode ser secundário ao trauma causado na região por algum procedimento cirúrgico, inclusive parto. O desenvolvimento da adenomiose também pode estar associado a fatores genéticos e imunológicos.

Essa entrada de células endometriais no miométrio desencadeia um processo inflamatório que pode se tornar crônico.

Alguns fatores aumentam o risco da adenomiose, como:

Sintomas

Os sintomas mais observados na adenomiose são:

Esses sintomas são semelhantes aos de outras doenças, por isso é necessária a investigação clínica minuciosa para definir este diagnóstico.

Cerca de 30% a 50% das mulheres podem ser assintomáticas, o que dificulta a estimativa da prevalência da doença.

Exames e diagnóstico

Os exames que permitem a investigação e o diagnóstico da adenomiose são:

A ressonância magnética é o exame mais preciso na investigação da adenomiose, mas a ultrassonografia também pode auxiliar no diagnóstico. Ambos conseguem analisar a parede muscular uterina para verificar sinais da adenomiose.

O diagnóstico é feito a partir dos achados nos exames de imagem mencionados e sintomas clínicos. Em alguns casos, o exame de toque vaginal, feito na consulta de rotina, pode sugerir a presença da adenomiose.

Ao definir o diagnóstico, é possível avaliar a gravidade da doença, para propor o melhor tratamento. A escolha do tratamento depende dos objetivos da mulher em relação ao desejo de gravidez.

Tratamento

Adenomiose

Adenomiose

O tratamento depende dos objetivos da paciente, assim como dos sintomas, da gravidade e das características da doença.

Inicialmente, é realizado o tratamento clínico para evitar a intervenção cirúrgica. Existem medicamentos que podem controlar a doença.

Os anti-inflamatórios podem ser prescritos em casos de dor. Já os anticoncepcionais de uso contínuo podem melhorar o quadro mediante o bloqueio da menstruação. Este método controla a adenomiose e evita gravidez, fato este que pode ser contraindicado para aquelas que estão planejando engravidar.

Os procedimentos cirúrgicos podem ser minimamente invasivos, como a videolaparoscopia ou a vídeo-histeroscopia, se for possível retirar apenas o tecido afetado, ou radicais, como a histerectomia, que é a retirada parcial ou total do útero. A indicação do procedimento cirúrgico está relacionada à gravidade da doença e à intenção de gravidez imediata.

Adenomiose, infertilidade e reprodução assistida

A adenomiose pode levar à infertilidade. Como ela afeta o útero, pode prejudicar a implantação do embrião.

A FIV pode aumentar as chances de gravidez nesta situação e, eventualmente, indicamos um bloqueio hormonal previamente à FIV.

Compartilhe:

Faça um comentário
Se inscrever
Notificação de
6 Comentários
mais antigo
o mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Gessica Leite
11 meses atrás

O bloqueio menstrual como tratamento para adenomiose para jovens qual o efeito colateral?

Admin
Dra. Adriana de Góes
11 meses atrás
Reply to  Gessica Leite

Olá Gessica, o bloqueio hormonal para o tratamento da adenomiose se for feita de forma tópica com o uso do DIO, praticamente não tem efeito colateral porque os ovários continuam ovulando na maioria dos ciclos, quando esse bloqueio é feito com outro tipo de medicação, pode ser via oral ou injetável, pode levar a um quadro semelhante a uma menopausa enquanto estiver usando esta medicação, os sintomas são variáveis de acordo com a medicação utilizada.

Fabeola Barzotto
5 meses atrás

Tenho adenomiose e minha médica receitou tratamento por 4 meses de Pietra ED ou Alurax., vou conseguir engravidar ainda seeá? Usando essa medicação???

Admin
Dra. Adriana de Góes
4 meses atrás

Olá, Fabeola!

Para avaliar a possibilidade de gravidez é necessário uma consulta com o especialista para verificar o melhor tratamento, para o seu caso a adenomiose pode dificultar a implantação mas não impede a gravidez.

Ediana cardoso dos santos
4 meses atrás

Bom dia doutora…eu tenho adenomiose..e quero engravidar.faz 3 meses que peredir um bebê,e estava tentando a mais de 4 anos.já estou com 42 anos.o que posso tomar para diminuir a adenomiose.tenho sonho de ser mãe.obrigado

Admin
Dra. Adriana de Góes
3 meses atrás

Existem vários tratamento para gravidez mesmo na vigência de adenomiose, pois essa doença não tem cura. É necessário abordar de uma forma diferente e permitir que a gravidez evolua. Além disso aos 42 anos é necessária uma avaliação da reserva ovariana, que é um fator limitante nesta idade. O ideal é agendar uma consulta!

Espero ter ajudado! Até mais.

Histeroscopia cirúrgica: o que ela pode tratar?

Neste post você vai conhecer a técnica que possibilita o tratamento de diversas condições que afetam o útero. É só tocar aqui.

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 4750-1170

(11) 99507-9291

Scroll