Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.

O que é coito programado ou relação sexual programada?

Um fato conhecido entre os casais é que no período fértil as chances de uma gravidez aumentam. Ele é mais fácil de ser calculado em ciclos menstruais regulares e, inclusive, há aplicativos criados para essa função.

Porém, existem diversos fatores que podem impedir que a gravidez aconteça. Nesses casos, técnicas de reprodução assistida podem ser uma solução. Entre elas estão o coito programado ou relação sexual programada (RSP), a inseminação artificial (IA) e a FIV (fertilização in vitro).

O coito programado, também conhecido como relação sexual programada (RSP), é uma das mais indicadas nos casos leves de infertilidade.

Essa técnica que será abordada neste artigo. Continue a leitura para saber mais sobre como o coito programado é realizado, as suas indicações e taxa de sucesso.

O que é coito programado?

O coito programado é um método de reprodução assistida em que é feito um acompanhamento do ciclo menstrual da mulher para entender em qual período há uma maior chance de gravidez e é realizada a estimulação ovariana.

Esse monitoramento visa determinar o período da ovulação da paciente e orientar o casal sobre o momento mais favorável à fecundação.

Tem o nome de coito programado porque o médico marca para o casal o dia e horário em que deve ser realizada a relação sexual. Isso aumenta a probabilidade de sucesso da gravidez.

Em quais casos ele é indicado?

Para indicar o melhor método de reprodução assistida é essencial que o especialista faça um diagnóstico para descobrir as causas da infertilidade mediante o histórico do casal e exames.

As tubas uterinas e o útero da paciente devem estar em condições normais para a realização do procedimento. Em geral, a avaliação é realizada por meio de um exame de dosagem hormonal, uma ultrassonografia transvaginal e pela histerossalpingografia.

No caso dos homens, um espermograma é solicitado para avaliar a quantidade e a qualidade dos espermatozoides.

Devido a sua baixa complexidade, o coito programado é indicado apenas em casos leves de infertilidade.

Problemas na ovulação

O coito programado é indicado nos casos em que a paciente apresenta algum problema na ovulação, como a anovulação. Essa condição é caracterizada pela ausência de ovulação e é muito comum nos casos de síndrome dos ovários policísticos (SOP), podendo causar a infertilidade.

Mulheres com mais de 35 anos

Ao contrário dos homens, as mulheres não produzem óvulos ao longo da vida, mas nascem com uma quantidade definida de gametas. A partir da primeira menstruação, eles são liberados mensalmente.

Com o passar dos anos, os óvulos vão diminuindo em quantidade e qualidade, em razão do envelhecimento.

O coito programado é indicado para mulheres que tenham até 35 anos de idade sem outros fatores de infertilidade.

Infertilidade sem causa aparente (ISCA)

Em cerca de 10% dos casos não é possível detectar a causa da infertilidade do casal. Em situações como essa, podem ser indicadas técnicas de reprodução assistida de baixa complexidade, como a RSP ou a IA.

Como a técnica é realizada?

A relação sexual programada é dividida em três etapas. São elas:

1. Estimulação ovariana

2. Indução da ovulação

3. Tentativas de gravidez

Estimulação ovariana

A estimulação ovariana é uma etapa que faz parte de todos os métodos de reprodução assistida. Como o nome já diz, o seu objetivo é estimular o desenvolvimento dos folículos ovarianos, — estruturas nas quais os óvulos são desenvolvidos — que serão liberados na ovulação.

O processo é feito com medicações a partir do segundo ou terceiro dia do ciclo menstrual. Durante o período de estímulo hormonal são realizadas ultrassonografias transvaginais para verificar o crescimento dos folículos e estimar a data provável da ovulação.

Indução da ovulação

Em um ciclo normal, vários folículos se desenvolvem, mas apenas um, o folículo dominante, é liberado para as tubas uterinas.

Com a estimulação ovariana, assim que eles atingem, em média, 18 mm, a paciente recebe uma dose do hormônio gonadotrofina coriônica humana (hCG), utilizado para induzir a ovulação nas próximas 36 a 40 horas.

O ideal é que sejam estimulados entre 1 e 3 folículos para evitar a probabilidade de uma gestação múltipla.

Tentativas de gravidez

O médico aconselha o casal a intensificar a prática sexual em um período próximo à liberação dos óvulos. A fecundação ocorre com o encontro dos gametas feminino e masculino nas tubas uterinas.

Após 14 dias, a paciente pode fazer um teste para confirmar a gravidez. Em caso negativo, o tratamento pode ser realizado novamente no próximo ciclo menstrual.

Qual é a taxa de sucesso do coito programado?

O coito programado apresenta uma taxa de sucesso de 18% a 20% por tentativa. É importante tomar alguns cuidados para garantir uma gravidez saudável para a paciente e para o bebê.

Além do tratamento hormonal, é interessante adotar hábitos mais saudáveis, como uma alimentação pobre em gorduras, evitar o uso de bebidas alcóolicas e cigarros, fazer exercícios físicos e o acompanhamento com um médico em caso de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão.

Caso sejam realizados ciclos da RSP sem sucesso, é recomendado ao casal outro método de reprodução assistida, como a FIV.

O coito programado é considerado a técnica de reprodução assistida mais simples disponibilizada pela medicina. Ela é indicada para casos leves de infertilidade, especialmente nos casos de anovulação, como ocorre na SOP.

A técnica é dividida em estimulação ovariana, indução da ovulação e tentativa de gravidez.

Para saber mais sobre o tratamento e as suas indicações, visite a nossa página dedicada ao coito programado.

Veja também:
Endometriose: conheça as formas de tratamento

Entenda quais os sintomas e possíveis tratamentos para a endometriose, uma das principais causas da infertilidade feminina

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Scroll