Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP
Menu.
Procedimentos (Os procedimentos são realizados por laboratório de parceiros)
Reprodução Humana

Nidação na FIV: conheça os detalhes

Um dos primeiros eventos que resultam em uma gravidez é a fecundação. Por vias naturais, a união dos gametas masculino e feminino acontece nas tubas uterinas, quando o casal mantém relações sexuais durante o período fértil.

Após a fecundação, o embrião inicia asprimeiras clivagens divisões celulares que originam todas as células do futuro bebê e é conduzido pelo peristaltismo tubário ao útero, onde a nidação deve acontecer.

Por definição, a nidação é um conjunto de processos pelos quais o embrião encontra um local adequado no endométrio, tecido que reveste o interior da cavidade uterina, para fixar-se, dando início à gestação.

Para que a nidação aconteça tranquilamente, é necessário não somente que o preparo endometrial processo mediado pelos estrogênios e progesterona em que o endométrio se torna espesso aconteça adequadamente, mas também depende da integridade deste tecido e do útero como um todo.

Problemas na nidação, como observamos nos casos de falhas na implantação embrionária e de gestações ectópicas, levam à perda gestacional e podem acarretar danos mais severos, como infertilidade feminina.

Embora a nidação não seja um evento passível de controle pelas técnicas de reprodução assistida, alguns procedimentos,como a FIV (fertilização in vitro), podem potencializar aspectos que favorecem a nidação.

O texto a seguir mostra os detalhes sobre a nidação nos tratamentos com a FIV, indicados para diversas demandas reprodutivas.

Boa leitura!

Como é feita a fertilização in vitro?

Um dos pilares da FIV é a metodologia utilizada para a fecundação, que acontece em laboratório (in vitro) de forma altamente controlada, diferentemente do que se observa nas demais técnicas, RSP (relação sexual programada) e IA (inseminação artificial), que contam com a fecundação no interior do corpo da mulher.

Para que a fecundação seja reproduzida in vitro, é necessário coletar gametas masculinos e femininos, que são selecionados antes da fertilização.

A obtenção de espermatozoides pode ser feita com uma amostra de sêmen e por recuperação espermática, enquanto os óvulos devem ser coletados após o processo de estimulação ovariana e indução da ovulação antes da aspiração folicular, que coleta gametas femininos (óvulos).

Após a fecundação, os embriões obtidos passam pelo cultivo embrionário, quando se observa seu desenvolvimento morfológico. O objetivo do cultivo embrionário é selecionar, para a transferência, os embriões mais saudáveis e com maior chance de nidaçãobemsucedida.

Ao final do cultivo embrionário, que dura de 3 a 5 dias, os embriões selecionados são transferidos para o útero, previamente preparado, em um procedimento simples, que deposita os embriões no interior da cavidade uterina por via transvaginal.

Espera-se então que a nidação aconteça, para que inicie a gestação.

Como acontece a nidação na FIV?

Assim como nas gestações por vias naturais e aquelas viabilizadas pelos demais tratamentos em reprodução assistida, a nidação na FIVtambém depende diretamente da qualidade do preparo endometrial, no momento da transferência embrionária.

Uma das vantagens da FIV reside justamente na possibilidade de congelamento dos embriões o freeze-all , para que a transferência embrionária ocorra em ciclos reprodutivos posteriores, em que o endométrio se mostre mais receptivo à nidação.

Além dessa possibilidade, a FIV ainda permite o hatching assistido, em que a nidação é facilitada pela realização de uma pequena incisão na zona pelúcida embrionária, que deve se romper totalmente para a fixação do embrião no endométrio.

Ainda assim, não é possível dizer que a FIV consegue controlar o processo de nidação, embora possa facilitá-lo e após a transferência embrionária, espera-se que a nidação aconteça de forma semelhante ao que se observa na gestação por vias naturais.

Falhas na nidação e gestação ectópica

Alguns problemas envolvendo a nidação podem acontecer mesmo nos tratamentos com a FIV, justamente porque esta é uma etapa da gestação sobre a qual a técnica não possui muito controle.

As principais causas de falhas na implantação embrionária são as infecções e inflamações do endométrio (endometrites), problemas genéticos que interferem no reconhecimento do embrião pelo endométrio e malformações uterinas.

Outros problemas, como a gestação ectópica quando a nidação ocorre no interior das tubas uterinas , no entanto, são minimizados pela FIV, já que o tratamento dispensa a integridade das tubas e deposita os embriões diretamente no útero, onde a nidação deve ocorrer.

Quando a mulher já passou por uma ou mais gestações ectópicas e não pode contar com as tubas uterinas, a FIV é a única técnica que permite a gestação. Já nos casos de falhas na implantação, a FIV também oferece a possibilidade de cessão temporária de útero, em que outra mulher passa pela gestação dos embriões dos pais.

Quer saber mais sobre a FIV? Toque neste linke leia nosso conteúdo completo!

teste

Veja também:
O que é DIP?

A gravidez é o sonho de muitas mulheres, porém, sabemos que determinadas doenças e condições […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll