Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP | WhatsApp
Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP
Menu.
Reprodução Humana

Inseminação artificial e coito programado: técnicas de reprodução assistida de baixa complexidade

Vários tratamentos de fertilidade estão disponíveis para conseguir a gravidez, embora, em geral, não exista uma técnica que seja melhor do que outra. Tudo depende das características de cada casal, por isso a individualização é tão importante.

Em princípio, se os testes de fertilidade indicarem infertilidade por fatores mais leves, o tratamento pode se iniciar com técnicas de baixa complexidade, buscando a abordagem mais próxima da gravidez natural.

As duas técnicas de reprodução assistida menos complexas são o coito programado ourelação sexual programada (RSP) e ainseminação artificial (IA). Já a fertilização in vitro (FIV) é de alta complexidade.

Nas técnicas de baixa complexidade a fecundação acontece naturalmente, nas tubas uterinas, enquanto na FIV é realizada em laboratório.

Neste texto, explicamos como funciona o tratamento com as duas técnicas de baixa complexidade, inseminação artificial e coito programado. Boa leitura!

Coito programado ou relação sexual programada (RSP)

A RSP consiste na sincronização das relações sexuais desprotegidas com o momento mais próximo da ovulação da mulher, visandoaumentar as chances de concepção.

Normalmente, é indicada para casais jovens quando a infertilidade é apenas feminina, provocada por fatores de menor gravidade.Geralmente, aqueles que mais se beneficiam com essa técnica são:

mulheres jovens (com menos de 35 anos);
casais sem problemas de infertilidademasculina;
mulheres com pelo menos uma tuba uterinapermeável;
mulheres com ciclos menstruais irregularese/ou distúrbios de ovulação;
quando o sêmen do parceiro apresenta parâmetros normais.

Entenda como o coito programado é realizado

O coito programado, assim como as outras técnicas de reprodução assistida, inicia com a estimulação ovariana. Nesse procedimento é implementado um plano simples para administração de medicamentos hormonais de baixa dosagem, de forma oral ou por injeções.

O objetivo é estimular o desenvolvimento de mais folículos, até três, e induzir a ovulação em mulheres com distúrbios ovulatórios, como a anovulação (ausência de ovulação) ou oligovulação (ovulação irregular).

Exames de ultrassonografia seriados acompanham o desenvolvimento folicular. Quando demostram um, dois ou três folículos com 18 mm ou mais, novos medicamentos são utilizados para induzir a maturação final e programar as relações sexuais antes, durante e após a ovulação, que geralmente acontece em aproximadamente 36 horas após a indução.

Inseminação artificial (IA)

Na inseminação artificial também é realizada uma leve estimulação ovariana na mulher para estimular, da mesma forma, o desenvolvimento de até três folículos. No entanto, nessa técnica, após a indução da ovulação, uma amostra de sêmen coletada e capacitada é depositada dentro do útero da paciente com o uso de uma cânula de inseminação.

O sêmen capacitado é aquele que passou por um processo de preparo seminal para eliminar o plasma seminal e as células mortas ou com graves alterações e, dessa forma, manter apenas os melhores espermatozoides.

Entenda como a inseminação artificial é realizada

1. Estimulação ovariana: a estimulaçãoovariana começa no primeiro dia do ciclo menstrual. A duração varia de paciente para paciente, mas dura em média de 10 a 12 dias;
2. Monitoramento e indução da ovulação: durante o processo de estimulação, uma série de exames ultrassonografia e/ou análises hormonais são realizados. Esses exames permitem identificar o tamanho dos folículos e determinar o melhor momento para induzir a ovulação, o que é feito assim que o folículo atingir o tamanho apropriado;
3. Inseminação: após a ovulação ser induzida, o sêmen é preparado em laboratório para que apenas os espermatozoides com melhor movimentação participem do processo. Após ser preparado, o sêmen é inserido no útero por um cateter fino e os espermatozoides seguem seu caminho naturalmente até as tubas uterinas para fecundaçãoEsse processo é rápido, indolor e executado em um curto período. 

Quando a inseminação artificial é recomendada?

Essa técnica também é indicada para mulheres com até 35 anos e tubas uterinas permeáveis. No entanto, como os espermatozoides são submetidos ao preparo seminal, podem ter pequenas alterações nomovimento (motilidade).

Taxas de sucesso

O coito programado e a inseminaçãoartificial são técnicas de reprodução assistida que facilitam a fecundação da forma mais natural possívelAmbas não levam a complicações ou efeitos colaterais graves. O maior risco é a gravidez múltipla, pois com aestimulação ovariana é comum que mais de um folículo se desenvolva. 

Quando bem indicadas, tanto o coito programado quanto a inseminação artificialoferecem boas taxas de sucesso, aproximadamente 20% por ciclo. O procedimento mais adequado para cada caso é definido pelo especialista depois da realização de diversos exames que avaliam a fertilidade do casal.

Se após o tratamento ainda não houver sucesso gestacional, a indicação passa a ser a FIV, principal técnica de reprodução assistida, que apresenta percentuais mais altos: em média, 40% a cada ciclo de tratamento. 

Toque aqui e conheça detalhadamente o funcionamento da relação sexual programada(RSP) ou coito programado, a mais simples das técnicas de reprodução assistida.

teste

Veja também:
Inseminação artificial para casais homoafetivos femininos: veja as possibilidades

A reprodução assistida transforma em realidade o sonho de famílias que desejam ter filhos, mas, […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll