Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.

Reversão de laqueadura

A reversão de laqueadura é um procedimento cirúrgico de alta complexidade que visa recuperar a fertilidade da mulher, submetida, anteriormente, à laqueadura tubária, também denominada ligadura tubária.

Na reversão da laqueadura, é feita a recanalização (reanastomose) das tubas uterinas para que o espermatozoide possa novamente ter acesso à tuba uterina e fecundar o óvulo. Contudo, essa intervenção pode não ter o êxito esperado. Em muitos casos, a paciente foi submetida à retirada da parte distal das tubas (retirada das fímbrias) durante a laqueadura e não é possível restaurar a função tubária.

Eventualmente, a reanastomose é realizada, mas as tubas uterinas evoluem com nova obstrução durante o processo cicatricial dessa cirurgia. É necessário avaliar a possibilidade desse procedimento e considerar o tratamento com fertilização in vitro (FIV), principalmente em mulheres com idade superior a 35 anos.

A laqueadura é um método definitivo de contracepção realizado em mulheres que não desejam nova gravidez. A cirurgia consiste na secção das tubas uterinas, bilateralmente.

O Brasil é um dos países com maior índice de laqueadura tubária. Essa conduta não é recomendada. Existem outras formas de contracepção não definitivas, menos agressivas e que oferecem taxas de sucesso similares. O arrependimento acontece em cerca de 30% dos casos quando a cirurgia é realizada em mulheres com idade inferior a 30 anos.

As razões mais observadas para a procura da reversão de laqueadura são:

A decisão para realizar a laqueadura deve ser ponderada e desencorajada em mulheres com idade inferior a 30 anos. Quando indicada a laqueadura, a paciente deve ter consciência da impossibilidade da reversão, em grande parte dos casos.

Neste texto, vamos abordar quais as indicações e como é feito o procedimento, sempre utilizando como referência o paralelo entre a indicação da reversão de laqueadura e da FIV.

Indicações

As indicações de reversão da laqueadura dependem principalmente dos parâmetros de fertilidade do casal ou apenas da mulher, caso ela esteja buscando a produção independente com a utilização de sêmen doado. A fertilidade do casal determina o prognóstico da reversão, quando tanto o homem como a mulher devem ser avaliados.

A avaliação do homem é feita com o espermograma. A qualidade (motilidade e morfologia) e a quantidade de espermatozoides no sêmen devem estar nos parâmetros de normalidade.

A avaliação da mulher é mais complexa, considerando a idade como principal fator prognóstico de uma nova gravidez. Se a mulher tiver mais que 35 anos, não é indicada a reversão.

Devem ser avaliados também outros fatores, como as condições dos órgãos da região pélvica, principalmente útero, tubas uterinas e ovários. A reserva ovariana deve estar preservada e ser investigada a presença de doenças.

Se houver alterações dos exames de fertilidade do casal, é indicada a FIV.

Como é feito o procedimento

A reversão de laqueadura é um procedimento cirúrgico complexo de recanalização das tubas uterinas, um processo denominado reanastomose tubária.

A reversão geralmente é feita por laparoscopia, também chamada videolaparoscopia, em virtude de ser um método que utiliza câmera e vídeo para a intervenção cirúrgica. A laparotomia também permite o acesso para esse procedimento, mas com a desvantagem de uma ampla cicatriz abdominal e pós-operatório mais desconfortável e prolongado.

Na reversão, as tubas uterinas são novamente seccionadas, retirada a cicatriz da laqueadura e unidas as bordas remanescentes das tubas. Esse processo é feito bilateralmente.

Em alguns casos, há necessidade de retirada de uma grande parte das tubas uterinas, encurtando o órgão e reduzindo a chance de sucesso de gravidez.

Outra possibilidade de redução das chances de gravidez é a formação de fibrose cicatricial, que também prejudica a passagem do óvulo e do espermatozoide.

A laparoscopia ou videolaparoscopia é uma técnica cirúrgica endoscópica, minimamente invasiva, que permite a intervenção cirúrgica de modo pouco agressivo. Através de pequenas incisões na região abdominal, são introduzidos óptica (laparoscópio) e instrumental cirúrgico especializado para a intervenção. A cirurgia é guiada por imagens projetadas em um monitor.

A laparotomia é uma técnica cirúrgica mais antiga e atualmente pouco indicada. É feita por uma incisão abdominal semelhante à de uma cesariana. A intervenção é feita diretamente, sem o auxílio de óptica.

Em ambos os casos, é realizada sob anestesia. A cirurgia tem duração aproximada de 2 horas, mas pode se estender, de acordo com a abordagem cirúrgica necessária.

O período de internação é variável conforme a recuperação da paciente, sendo, geralmente, de 3 dias. Cuidados especiais durante o pós-operatório são importantes para evitar complicações. Geralmente, é restringida a atividade física e relação sexual por cerca de 7 dias após a abordagem laparoscópica.

Um risco associado à reversão de laqueadura é a gravidez ectópica, que se caracteriza pela implantação do embrião e desenvolvimento da gravidez em outro órgão que não o útero, geralmente nas tubas uterinas. A intervenção cirúrgica afeta a morfologia das tubas e pode dificultar a movimentação do embrião até o útero, possibilitando a gravidez ectópica.

Conclusão

O processo, desde o momento que o casal opta pela reversão da laqueadura até a confirmação da gravidez, é longo e o êxito incerto.

A gravidez com o auxílio da FIV é um processo menos demorado, oferece menos riscos (por exemplo de gravidez ectópica) e a taxa de sucesso é superior.

É importante considerar que a reversão da laqueadura não assegura a gravidez e pode ser necessária a indicação de FIV.

Compartilhe:

Faça um comentário

6
Deixe um comentário

3 Comentar tópicos
3 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
4 Autores de comentários
  Se inscrever  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Jaciara Freitas

Bom dia , pfv uma informação fiz laqueadura tubária há 10 anos e qro muito fazer a reversão, tenho 46 anos casei de novo eu e meu marido temos muito desejo de ter nosso bebê, qual o valor da reversão pfv.

Dra. Adriana de Góes

Olá, Jaciara. Aos 46 anos a laqueadura tubária não deve ser revertida, e sim realizada a Fertilização In Vitro (FIV), e considerando que aos 46 anos a reserva ovariana é bastante diminuída, é preciso pensar ou considerar outros tratamentos, como a doação de óvulos.

Amanda Gonçalves

Olá tenho 29 anos e fiz tive hidrossalpinge mas o médico que me operou não me mostrou as trompas e as enfermeiras me tratavam como se eu tivesse feito laqueadura fiz a 1 e 7 messes quero reverter como faco

Dra. Adriana de Góes

Olá, Amanda! É Necessária uma avaliação médica para verificar o procedimento realizado. Casa tenha sido feito um procedimento nas tubas uterinas, podemos avaliar se é possível a reversão. Porém, no caso de hidrossalpinge não é possível pois as trompas são retiradas.

Mas de qualquer forma a gravidez é possível por meio da fertilização in vitro.

Espero ter ajudado. Obrigada por acompanhar o blog.

Elizete da silva

Oi boa noite, tenho 36 anos e a 10 anos fiz laaqeadura,posso fazer a reversão???

Dra. Adriana de Góes

Olá, Elizete!

Sim, é possível a reversão da laqueadura após os 36 anos. Contudo é necessária uma avaliação da capacidade de ovular e também a fertilidade do parceiro para decidir se a reversão é o melhor tratamento.

SOP: critérios diagnósticos

A produção dos hormônios sexuais, estrogênio e progesterona, ocorre nos ovários, as glândulas sexuais femininas […]

Leia +

Contato

Rua do Rócio, 423 - Conjunto 1.406 Vila Olímpia | São Paulo-SP CEP 04552-000

(11) 4750-1170

(11) 99507-9291

Scroll