Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP
Menu.
Procedimentos (Os procedimentos são realizados por laboratório de parceiros)
Reprodução Humana

O que é histerossalpingografia? Saiba mais sobre o exame

A histerossalpingografia é um exame ginecológico utilizado para avaliar a morfologia das tubas uterinas e do útero. É um dos mais importantes para a investigação da infertilidade conjugal.

Para que a mulher engravide, os órgãos do sistema reprodutor feminino precisam estar em bom funcionamento. A fecundação acontece nas tubas uterinas ou trompas de Falópio, a partir do encontro entre o óvulo e o espermatozoide.

Em seguida, o embrião formado segue em direção ao útero para se implantar no endométrio, a camada interna uterina, em que vai se desenvolver até o final da gestação. Por isso, a presença de qualquer anormalidade nesses órgãos pode dificultar a gravidez.

Se o casal estiver tentando engravidar há mais de 12 meses sem sucesso, uma investigação deve ser feita para identificar a causa da infertilidade. Entre os exames mais solicitados está a histerossalpingografia. Neste texto, vamos abordar tudo o que você precisa saber sobre ela. Confira!

O que é histerossalpingografia?

A histerossalpingografia é um exame de imagem minimamente invasivo que utiliza contraste iodado para avaliar as condições do útero e das tubas uterinas. O seu objetivo é visualizar a morfologia dos órgãos e identificar alterações na forma e estrutura.

Malformações, obstruções e aderências são algumas alterações que o exame consegue mapear com mais precisão do que a ultrassonografia pélvica. A histerossalpingografia é um exame seguro e com baixo risco de complicações.

Como a histerossalpingografia é feita?

A histerossalpingografia deve ser realizada entre o fim da menstruação e a ovulação, por volta do 6º ao 12º dia do ciclo menstrual para garantir que a paciente não esteja grávida durante a realização. Pode ser indicado o uso de um laxante no dia anterior para limpar o intestino e melhorar a visualização.

O contraste é injetado pelo colo do útero da paciente para que a substância percorra toda a cavidade uterina e as tubas uterinas. Durante o percurso, as radiografias são capturadas em diferentes ângulos para a análise do médico.

O exame é rápido e logo em seguida a paciente é liberada para retornar às suas atividades normais. Mesmo sendo um procedimento seguro, a histerossalpingografia possui algumas contraindicações. Por ser um exame de raio-X, a paciente não pode estar grávida ou ser alérgica a uma das substâncias presentes no contraste.

O que a histerossalpingografia pode identificar?

A histerossalpingografia é capaz de diagnosticar diversas doenças e condições que afetam o sistema reprodutor feminino. Entre elas estão:

O exame é importante para a investigação da infertilidade feminina porque consegue mapear com precisão o útero e as tubas uterinas da paciente, identificando lesões, aderências e obstruções. Essas alterações comprometem o funcionamento dos órgãos, impedindo a gravidez.

Além da histerossalpingografia, outros exames que também avaliam a região pélvica feminina são a ultrassonografia transvaginal, a ressonância magnética e a histeroscopia ambulatorial. Eles podem ser solicitados para complementar a avaliação, caso seja necessário.

Como a histerossalpingografia pode auxiliar nos tratamentos de reprodução assistida?

O exame detecta alterações nas tubas uterinas e no útero que podem dificultar a fecundação, a implantação do embrião no útero ou o desenvolvimento do feto, aumentando o risco de um abortamento. Por isso, é muito utilizado durante a investigação da infertilidade feminina.

A partir do resultado dos exames é possível orientar o casal sobre as possibilidades de tratamento e as chances de gravidez, considerando a individualidade de cada caso. Se o tratamento da causa da infertilidade não for suficiente para reverter a infertilidade, a reprodução assistida é indicada.

As técnicas de baixa complexidade, relação sexual programada (RSP) e inseminação artificial (IA), são indicadas para mulheres com até 37 anos e casos leves de infertilidade conjugal. No entanto, se a paciente tiver mais do que 37 anos ou a histerossalpingografia detectar alguma anormalidade, a fertilização in vitro (FIV) é recomendada.

A FIV é a técnica mais moderna e com maior taxa de sucesso, sendo indicada para a maioria dos casos de infertilidade conjugal. A maior parte do seu processo acontece em laboratório, desse modo, a presença de uma alteração nas tubas uterinas não interfere no tratamento.

Os gametas do casal são coletados e preparados para a fecundação, geralmente realizada pela técnica ICSI, em que cada espermatozoide é injetado diretamente no óvulo. Alguns dias após a formação dos embriões, os mais saudáveis são transferidos ao útero da paciente para se implantar naturalmente e dar início à gestação.

A histerossalpingografia é um exame ginecológico muito solicitado durante a investigação da infertilidade feminina. Consiste em um raio-X com contraste utilizado para mapear a morfologia das tubas uterinas e do útero com precisão. Assim, é possível diagnosticar diversas doenças e condições que provocam obstruções, aderências ou malformações uterinas, que podem dificultar a fecundação e a implantação do embrião.

O exame é rápido, sendo concluído normalmente em 20 minutos e, na maioria dos casos, a paciente sente desconforto leve a moderado. Toque aqui para saber mais sobre a histerossalpingografia.

teste

Veja também:
O que é DIP?

A gravidez é o sonho de muitas mulheres, porém, sabemos que determinadas doenças e condições […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll