Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP | WhatsApp
Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Mioma uterino: veja como é feito o diagnóstico

O mioma está entre as causas mais comuns de infertilidade feminina. Ele provoca uma alteração no útero, dificultando a implantação do embrião no endométrio. Dependendo do seu tamanho e onde está localizado, os sintomas podem ser diferentes. Por isso, cada caso deve ser avaliado individualmente.

O útero é um órgão muscular conectado com as tubas uterinas na parte superior e com a vagina na inferior, fazendo parte do sistema reprodutor feminino. A sua função é receber o embrião e desenvolvê-lo até o final da gestação.

Ele é formado por 3 camadas: o endométrio (a camada interna), o miométrio (a camada intermediária) e o perimétrio (a camada externa). O mioma surge no miométrio e se apresenta de diferentes formas. A paciente pode ter apenas um único nódulo ou vários e eles podem apresentar tamanhos variados.

Neste artigo, o nosso foco será no diagnóstico do mioma. Vamos mostrar quais são os exames mais solicitados e quando eles são indicados. Mas antes, precisamos apresentar, de forma geral, o que é o mioma e como ele é classificado.

Boa leitura!

Como é feita a classificação do mioma?

Os miomas são tumores benignos que se formam no miométrio e, dependendo do seu tamanho e localização, podem se projetar em direção ao endométrio ou perimétrio. Eles são classificados em 3 tipos principais: os miomas submucosos, intramurais e subserosos.

O mioma submucoso é o tipo menos comum, se desenvolvendo em direção ao endométrio podendo atingi-lo. O mioma intramural é o mais comum e está localizado no miométrio da paciente. Por fim, o mioma subseroso se desenvolve em direção ao perimétrio, para fora do útero.

Quais são os exames solicitados para o diagnóstico do mioma?

O mioma uterino não provoca sintomas na maioria dos casos, o que dificulta o seu diagnóstico. Nesses casos, manter os exames ginecológicos de rotina em dia é a melhor forma de se prevenir. Porém, dependendo do seu tamanho e localização, ele pode provocar sintomas — como alterações no ciclo menstrual e dores pélvicas — que fazem a paciente procurar ajuda médica.

Durante o exame físico no consultório, os miomas maiores podem ser identificados pela palpação do abdômen. No entanto, a confirmação do diagnóstico se dá pelos exames de imagem. Os mais solicitados são a ultrassonografia pélvica, a ressonância magnética e a histeroscopia, como mostraremos abaixo.

Ultrassonografia pélvica

A ultrassonografia pélvica é o exame mais utilizado para o diagnóstico de miomas uterinos por ser de baixo custo, seguro e eficiente. Por meio de ondas sonoras, ele consegue identificar, medir e mapear os miomas.

O exame pode ser transabdominal, quando o transdutor que obtém as imagens é posicionado em cima do abdômen ou via transvaginal, quando ele é inserido no canal vaginal da paciente.

Ressonância magnética

A ressonância magnética é um exame de imagem de alta precisão recomendado para o diagnóstico de diversas doenças e condições. Ela consegue, por meio de campos magnéticos que formam as imagens, mapear e identificar os miomas com mais precisão do que a ultrassonografia pélvica. Porém, o seu principal ponto negativo é o custo elevado para realizá-lo, o que dificulta o acesso ao exame.

Histeroscopia

A histeroscopia é recomendado para identificar alterações uterinas, principalmente, em caso de suspeita de miomas submucosos. Um instrumento chamado histeroscópio, que possui uma câmera acoplada, é inserido no canal vaginal da paciente para visualizar com precisão a cavidade uterina.

Além de ser importante para o diagnóstico, a histeroscopia também é indicada para o tratamento dos miomas submucosos. A histeroscopia cirúrgica para a retirada desse tipo de mioma é indicada devido à rápida recuperação da paciente por não envolver cortes.

Qual a relação entre o mioma e a infertilidade?

Assim como a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), o mioma uterino também é estrogênio-dependente. Ou seja, ele pode aumentar ou regredir de tamanho por influência hormonal. Além dos fatores hormonais, a genética também é apontada como possível causa do surgimento dos miomas.

Porém, a presença dessa massa que se forma no miométrio não significa que, necessariamente, a mulher terá dificuldade para engravidar. A infertilidade está mais relacionada ao mioma submucoso, que também é o tipo mais relacionado aos sintomas. Em alguns casos, o seu tamanho e/ou localização pode alterar o endométrio, dificultando a implantação do embrião e aumentando o risco de abortamentos de repetição.

Se mesmo após o tratamento do mioma a paciente tiver dificuldade para engravidar, a reprodução assistida é indicada. Entre as técnicas existentes, a fertilização in vitro (FIV) é a mais recomendada por ser a mais moderna e com maior taxa de sucesso.

O mioma uterino é um tumor benigno que se forma no miométrio, a camada intermediária do útero. Na maioria dos casos, ele é assintomático, mas dependendo do seu tamanho e localização pode apresentar sintomas, como dores pélvicas e infertilidade. Os principais exames para diagnosticá-lo são a ultrassonografia pélvica, a ressonância magnética e a histeroscopia.

Neste artigo, focamos em mostrar como é feito o diagnóstico do mioma uterino. Para saber mais sobre ele e como ele é tratado, toque aqui!

teste

Veja também:
Espermograma: saiba mais sobre o exame

Quando um casal inicia as tentativas de engravidar, pode se deparar com uma certa dificuldade, […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll