Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Endometriose: conheça os tipos da doença

A camada que reveste o útero internamente é denominada endométrio, um tecido altamente vascularizado, que todos os meses, estimulado pela ação do estrogênio se torna mais espesso para receber o embrião: ele o abriga e nutre até que a placenta seja formada. Se a fecundação não ocorrer, descama, originando a menstruação.

Diferentes doenças podem afetar o endométrio e causar alterações na fertilidade feminina durante a fase fértil. A endometrite, por exemplo, um processo inflamatório, se não for adequadamente tratado pode resultar em falhas na implantação do embrião.

Já os pólipos endometriais, crescimentos anormais das células endometriais, em maior quantidade, também tendem a interferir na receptividade endometrial, causando, da mesma forma, falhas na implantação.

Enquanto a endometriose, por outro lado, tem como característica o crescimento de um tecido semelhante ao endométrio em locais fora da cavidade uterina. É considerada uma das principais causas de infertilidade feminina e classificada de acordo com o local de crescimento.

Este post aborda sobre os tipos de endometriose, sintomas, métodos diagnósticos e tratamento. Continue a leitura e saiba mais!

O que é endometriose?

A endometriose é uma doença inflamatória e crônica, em que o tecido ectópico desenvolve geralmente em locais mais próximos ao útero, incluindo ovários, colo uterino, tubas uterinas, ligamentos que sustentam o útero e no espaço entre a vagina e o reto, provocando alterações na fertilidade: até 50% das mulheres inférteis têm endometriose.

No entanto, embora de forma menos comum, mas não rara, pode invadir o trato urinário e o intestinal.

Assim como o endométrio, o tecido anormal também é estimulado pela ação do estrogênio, por isso a doença é definida como estrogênio-dependente. À medida que o tecido ectópico desenvolve provoca o processo inflamatório e a manifestação de diferentes sintomas.

Ainda que tenha sido descrita pela primeira vez em 1860, as causas de endometriose permanecem desconhecidas até hoje. Entre as teorias que surgiram para justificar o desenvolvimento do tecido ectópico a mais aceita foi proposta pelo ginecologista americano John Albertson Sampson no início do século XX.

Conhecida como ‘Teoria de Sampson’, explica que os fragmentos do endométrio normalmente eliminados pela menstruação após a descamação do tecido, retornam pelas tubas uterinas e implantam em outros locais.

A endometriose é classificada de acordo com o local de crescimento, a profundidade e o grau de comprometimento dos órgãos. Critérios que também interferem nos sintomas provocados pela doença.

Quais são os tipos de endometriose?

A endometriose é classificada de acordo com a localização, quantidade e profundidade das lesões, comprometimento dos órgãos, presença e número de endometriomas ovarianos, nos seguintes estágios de desenvolvimento: mínima (estágio I), leve (estágio II), moderada (estágio III) ou grave (estágio IV).

Além disso, é classificada morfologicamente em três subtipos: o sistema é aceito internacionalmente e foi proposto pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM).

Classificação de acordo com os estágios de desenvolvimento da doença:

  • Estágio I (endometriose mínima): no estágio I os implantes do tecido ectópicos são isolados e ainda não provocaram a formação de aderências significativas;
  • Estágio II (endometriose leve): no estágio II os implantes são superficiais, com menos de 5 cm, da mesma forma que não foram formadas aderências significativas;
  • Estágio III (endometriose moderada): no estágio III já se formaram múltiplos implantes, além de aderências nas tubas uterinas ou ovários e presença de endometriomas;
  • Estágio IV (endometriose grave): no estágio IV há múltiplos implantes superficiais e profundos, aderências densas e firmes.

Classificação morfológica:

  • Endometriose peritoneal superficial: nos estágios I e II de desenvolvimento, tem como característica a formação de pequenas lesões, geralmente planas, rasas e localizadas apenas no peritônio (membrana que recobre a parede abdominal).
  • Endometriose ovariana: no estágio III de desenvolvimento, a principal característica da endometriose ovariana é a presença de um tipo de cisto preenchido por líquido de aspecto achocolatado conhecido como endometrioma ovariano. Eles são bastante comuns em mulheres com a doença e podem ter diferentes tamanhos.
  • Endometriose infiltrativa profunda: no estágio IV de desenvolvimento, apresenta lesões mais profundas, que invadiram o peritônio e locais como a região retrocervical (atrás do colo uterino), o septo retovaginal (entre reto e vagina), a vagina, o intestino, as paredes da bexiga e ureteres.

Embora o sistema proposto pela ASRM seja importante para orientação do tratamento pós-cirúrgico, especialmente quando a doença causa infertilidade, a classificação da endometriose permanece controversa, principalmente pela diversidade de suas manifestações.

Por isso, em 2014, um evento global com a participação de especialistas de 29 países recomendou a incorporação de dois outros sistemas de classificação às diretrizes da ASRM para todas as mulheres que forem submetidas à cirurgia de extração do tecido ectópico:

  • Enzian-Score: considera a classificação da endometriose profunda a partir do envolvimento de outros órgãos, determinando a severidade e disseminação da doença;
  • EFI: considera diferentes fatores relacionados à infertilidade a partir da utilização de um sistema de pontuação. A endometriose pode interferir na fertilidade em todos os estágios de desenvolvimento.

Quais são os sintomas de endometriose?

O tecido ectópico reage a ação do estrogênio da mesma forma que o endométrio. Assim, motiva o surgimento de diferentes sintomas durante os períodos menstruais:

  • Aumento do fluxo menstrual e cólicas, que podem variar em intensidade: são mais severas antes e durante a menstruação.
  • Manchas vermelhas antes do período menstrual;
  • Os endometriomas podem romper e provocar dor na região pélvica, aguda e pulsante, que ocorre repentinamente ou de forma intermitente;
  • Dor durante as relações sexuais (dispareunia);
  • Vontade frequente e urgente de micção, ou a dificuldade para urinar acompanhada de dor;
  • Distensão abdominal e mudanças cíclicas no hábito, como constipação.

Exames realizados para diagnosticar a endometriose

Quando há suspeita de endometriose, são realizados geralmente dois exames de imagem: a ultrassonografia transvaginal (USTV) e a ressonância magnética (RM). A USTV está indicada principalmente para identificar endometriomas. Quando realizado o preparo intestinal, é possível avaliar lesões profundas nesse método.  A RM  possibilita a identificação e mapeamento de todos os focos da doença, incluindo os mais profundos.

Os resultados diagnósticos orientam para o tratamento mais adequado para cada paciente.

Tratamentos indicados para endometriose

O tratamento para endometriose considera o desejo da mulher de engravidar no momento e a intensidade dos sintomas manifestados. Para mulheres com sintomas como cólica e sangramento, que não pretendem engravidar, são prescritos contraceptivos hormonais.

Quando os sintomas manifestados são mais severos ou se a endometriose provocar problemas de fertilidade, associados a comprometimento da qualidade de vida, é indicada a cirurgia para remoção do tecido endometrial ectópico.

Após a cirurgia, a gravidez pode ocorrer de forma espontânea, especialmente em mulheres com idade inferior a 35 anos. Porém, se não ocorrer a gravidez, esta pode ser viabilizada por  técnicas de reprodução assistida.

Nas de baixa complexidade, RSP (relação sexual programada) e IA (inseminação artificial), em que a fecundação ocorre de forma natural, nas tubas uterinas, são indicadas para mulheres com endometriose nos estágios iniciais, que tenham até 35 anos e as tubas uterinas saudáveis.

Enquanto a FIV (fertilização in vitro), de alta complexidade, em que a fecundação ocorre em laboratório. Por isso, é mais adequada para mulheres acima de 36 anos, com endometriose em estágios mais avançados e obstruções nas tubas uterinas como consequência do tecido ectópico, ou se houver presença de endometriomas.

Para saber mais sobre endometriose acesse o nosso conteúdo especial sobre ela: toque aqui.

Veja também:
Como saber se sou infértil?

Ainda que seja bastante comum a infertilidade é um tema que motiva muitas dúvidas. Toque aqui e entenda como identificar o problema.

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll