Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP | WhatsApp
Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Congelamento de gametas e embriões: possibilidades contra a infertilidade

A possibilidade de preservação de diversos tipos de material biológico tornou-se realidade com o desenvolvimento de técnicas de congelamento ou criopreservação. Atualmente, o aprimoramento de processos específicos diminuiu consideravelmente as taxas de danos à integridade do material preservado.

Uma das áreas que mais se beneficiou desse progresso foi a medicina reprodutiva, na FIV, por exemplo, sua principal técnica, passou a ser possível a preservação de gametas e embriões.

Chamamos gametas as células reprodutivas de homens, os espermatozoides, e das mulheres, os óvulos , que se diferem das demais do corpo humano por conterem apenas metade do DNA.

Na fecundação, seja ela por vias naturais, sejaem tratamentos com reprodução assistida, o encontro dos gametas feminino e masculino compreende principalmente a união do material genético de ambos. Isso leva a formação do zigoto, célula primordial do embrião.

O período do desenvolvimento embrionário inclui desde a formação das primeiras células a partir do zigoto, até aproximadamente a 8ª semana de gestação, quando tem início o desenvolvimento fetal.

Neste texto falaremos sobre como gametas e embriões podem ser preservados por congelamento, mostrando com detalhes os processos envolvidos e suas aplicações para as diversas demandas reprodutivas atendidas pela reprodução assistida.

Boa leitura!

O que é criopreservação?

Criopreservação é a conservação de material biológico, de diversas origens, por congelamento, mantendo íntegras todas as funções fisiológicas e estruturais do tecido preservado, normalmente por tempo indeterminado.

Além de gametas e embriões, a criopreservação também é utilizada largamente para preservação de tecidos, como as células do cordão umbilical, além de órgãos para transplantes.

Embora a criopreservação por vitrificação seja a técnica mais utilizada atualmente, além dela o processo pode ser feito por congelamento lento, um procedimento mais antigo e que apresenta taxas de dano celular mais altas.

No congelamento lento, o material biológico coletado previamente é embebido em uma solução contendo meio de cultura e crioprotetores, e submetido a uma diminuição gradual da temperatura, que congela lentamente, em um aparelho contendo nitrogênio líquido.

A principal diferença entre a criopreservação por congelamento lento e a vitrificação é a velocidade com que a temperatura é reduzida, até chegar ao ponto do congelamento.

Na vitrificação, além de o material ser submetido à uma redução ultrarrápida da temperatura e não gradual, como na outra técnica, a concentração de crioprotetores no meio de cultura também é maior.

Os crioprotetores são substâncias que protegem o material biológico contra algumas consequências do congelamento, como a formação de cristais no meio intracelular, que poderiam danificar a estrutura e a funcionalidade das células.

Como a criopreservação auxilia as técnicas de reprodução assistida?

A criopreservação por vitrificação, modalidade mais utilizada na medicina reprodutiva, revolucionou as técnicas de reprodução assistida, ampliando sua abrangência.

As diferentes metodologias de congelamento, que permitem a conservação de material reprodutivo, possibilitaram a criação de bancos de células reprodutivas e embriões, que podem ser utilizados inclusive por outros casais, como nos casos mais severos de infertilidade, nos quais o casal não pode contar com suas células reprodutivas, assim como para os homoafetivos.

Em que contexto a criopreservação é realizada na FIV?

Embora a IA (inseminação artificial) também tenha vantagens com o desenvolvimento das técnicas de criopreservação, já que a inseminação pode ser feita com sêmen de doador, que é armazenado por vitrificação, a FIV (fertilização in vitro) é a técnica de reprodução assistida que mais utiliza os procedimentos de congelamento rápido.

Freeze-all

Nos tratamentos tradicionais com a FIV, além da possibilidade de doação de gametas, a criopreservação é fundamental para aplicação de uma metodologia chamada freeze-all, em que todos os embriões são vitrificados logo após a fecundação, para que a transferência embrionária aconteça em outro ciclo reprodutivo.

Isso pode ocorrer tanto porque a própria estimulação ovariana, primeira etapa da FIV, alterou o preparo endometrial e o útero não se mostra receptivo aos embriões, o que é muito comum, mas também em casos de infertilidade por fator uterino, quando a mulher necessita acompanhamento e medicação para realizar o preparo endometrial.

Embriões excedentes da FIV

Uma situação também muito comum nos tratamentos tradicionais com a FIV é o excedente de embriões, que acontece principalmente pois a técnica prevê a fecundação de mais óvulos do que o número de embriões permitidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para a transferência embrionária.

Isso porque, na FIV , tanto a seleção de gametas, antes da fecundação, como a de embriões, antes da transferência embrionária, pode ser feita para melhorar as chances de que o tratamento resulte em gestação.

Os embriões excedentes de cada tratamento, segundo o CFM, devem ser conservados por ao menos 3 anos, antes de serem descartadoscom autorização judicial. Podem também ser doados, desde que para pacientes em tratamento com a FIV.

Doação de sêmen e óvulos

A doação de espermatozoides, óvulos, assim como a de embriões, também é regulada peloCFM, que estabelece pré-requisitos para doadores, como idade, saúde mental e física, integridade das células reprodutivas, entre outros.

Ainda que a doação de sêmen voluntária seja permitida há algum tempo, somente desde 2017, data da regulamentação sobre ovodoação, as mulheres passaram a poderdoar seus óvulos sem que para isso precisem estar em um tratamento com a FIV.

Todos os gametas doados são selecionados previamente e armazenados em bancos de células, sendo posteriormente direcionados a casais que possuem características fenotípicas e fisiológicas semelhantes aos doadores.

As doações de gametas são anônimas ou, de acordo com a resolução atual de maio deste ano, podem ser feitas por parentes de até quarto grau dos pacientes em tratamento. .

Casais homoafetivos e pessoas solteiras que desejam ter filhos

Desde 2013, o CFM permite que casais homoafetivos masculinos e femininos, bem como pessoas solteiras que desejam ter filhos biológicos, possam se beneficiar da reprodução assistida, o que somente é possível pela doação de gametas, que depende diretamente do desenvolvimento das técnicas de criopreservação.

Enquanto os casais homoafetivos femininos podem também ser atendidos pela IA embora a FIV ofereça a possibilidade de gestação compartilhada, que aumenta a participação do casal na gestação , os casais homoafetivos masculinos dependem exclusivamente da FIV para ter filhos.

Isso porque além da doação de óvulos, o casal precisa encontrar uma mulher, que tenha até 4 graus de parentesco com algum dos membros do casal e aceite passar pela cessão temporária de útero, da transferência embrionária ao parto.

Preservação social da fertilidade

Ainda que a preservação social da fertilidadeseja indicada principalmente para mulheres, já que a reserva ovariana é um estoque limitado de células reprodutivas, os homens também podem recorrer a essa técnica para preservar sua fertilidade.

Na preservação social da fertilidade a mulher passa pela estimulação ovariana e aspiração folicular, contudo seus óvulos ficam armazenados, conservados por criopreservação, para que possam ser fecundados com segurança quando decidirengravidar.

Importante lembrar que a tanto a preservação social da fertilidade, como a preservação oncológica da fertilidade, assunto do próximo tópico, só são possíveis com a FIV.

Preservação oncológica da fertilidade

Os tratamentos oncológicos, especialmente a quimioterapia e a radioterapia, têm grande influência na integridade das células reprodutivas de homens e mulheres, que podem ficar inférteis após o fim dos tratamentos.

Antes de dar início à quimio e à radio, homens e mulheres devem ser informados sobre a preservação oncológica da fertilidade: criopreservar seus gametas para que possam ter filhos com segurança, após a recuperação completa de sua saúde.

Toque neste link e saiba mais sobre criopreservação.

teste

Veja também:
Espermograma: saiba mais sobre o exame

Quando um casal inicia as tentativas de engravidar, pode se deparar com uma certa dificuldade, […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll