Dra. Adriana de Góes | Reprodução Humana SP Menu.
Reprodução Humana

Aborto espontâneo e aborto de repetição

Abortamento espontâneo é o nome dado ao processo de morte embrionária ou fetal não induzida, antes de alcançar a 20ª semana de gestação.

O aborto é o produto consequente da expulsão do útero, porém é um termo muito utilizado popularmente para definir o abortamento.

A interrupção da gravidez antes do feto alcançar a viabilidade, ou seja, possuir condições de vida extra uterina, pode ocorrer de forma espontânea ou provocada.

O abortamento espontâneo pode causar dor pélvica, sangramento e depois de algum tempo a expulsão de restos ovulares.

A seguir saiba mais informações sobre o abortamento espontâneo e como ele pode ocorrer repetidas vezes para algumas mulheres:

O que é o abortamento espontâneo?

Em sua grande maioria, o abortamento espontâneo ocorre devido ao mau desenvolvimento do feto e acontece até a 20ª semana de gestação.

Com o avançar da idade gestacional, o risco dessa complicação é cada vez menor. Algumas mulheres chegam a passar pelo abortamento logo no início, sem nem ao menos descobrir a gestação.

Embora seja um problema comum entre as mulheres, não é um processo fácil e pode necessitar de um acompanhamento psicológico devido à perda.

O que caracteriza o aborto de repetição?

Quando ocorrem 2 ou mais perdas gestacionais antes do período de 20 semanas, chama-se de aborto de repetição.

Existem diversas causas para justificar o abortamento e elas precisam ser investigadas para que este problema possa ser evitado.

Causas genéticas

É comum que o embrião formado possua alterações genéticas não compatíveis com o seu desenvolvimento. Nesses casos, o corpo da mulher acaba eliminando o concepto.

Essas alterações ocorrem com mais frequência em mulher com idade acima de 35 anos, quando os óvulos já não possuem tanta qualidade.

Após o abortamento, é necessário realizar o exame de cariótipo no material do aborto para definir se foi consequência de uma alteração genética. Em caso positivo, existe a possibilidade de uma repetição dependendo da doença encontrada.

Causas anatômicas

Alterações anatômicas do útero também podem causar o abortamento, sendo algumas das situações:

  • Septos uterinos – espaço reduzido para o desenvolvimento do feto;
  • Sinequias – aderências no endométrio;
  • Útero bicorno – quando há duas partes separadas e unidas pelo colo;
  • Útero unicorno – quando há apenas a metade do útero;
  • Útero didelfo – duas partes, cada uma com um colo uterino;
  • Útero arqueado.

Trombofilias

Existe um grupo de doenças que promove um desequilíbrio entre a coagulação e a fibrinólise, o que aumenta o risco de trombose.

Essas doenças causam a formação de pequenos trombos nos vasos que originam a placenta, o que acaba levando ao abortamento.

Infecções femininas

Algumas infecções femininas no início da gestação podem causar o abortamento. Podem levar também a malformações no bebê e até sequelas maiores após o nascimento.

Por isso, é preciso realizar uma avaliação ginecológica ao tentar engravidar para investigar essas questões.

Hábitos

O consumo de drogas e tabaco pode aumentar os riscos de um abortamento, bem como o consumo exagerado de álcool e cafeína.

Obesidade

Mulheres consideradas acima do peso ideal, com índice de massa corporal acima de 25 kg/m² além de possuírem mais chances de abortarem, correm mais riscos de complicações durante a gravidez e o parto.

Fatores imunológicos

Para que ocorra a implantação embrionária, um processo de inflamação é iniciado a fim de permitir a fixação do embrião no útero.

O equilíbrio desse processo depende de diversos fatores e está associado também a fatores imunológicos.

As ações das células NK (natural killer) são importantes nesta ação, porém quando trabalham em excesso, podem gerar o abortamento.

Um exame específico de células NK é realizado para identificar essa alteração e possibilitar à paciente um tratamento adequado.

O aborto de repetição pode ocorrer até mesmo em casos de gravidez por reprodução assistida. Nesses casos, os fatores genéticos são grandes influenciadores e podem ser tratados após uma investigação mais detalhada do caso.

Tratamento e reprodução assistida

Quando a mulher sofre uma ameaça de aborto, o médico recomenda o repouso até o fim das dores e sangramento.

Mulheres que já passaram por abortos de repetição e desejam engravidar, podem procurar o auxílio da reprodução assistida.

É preciso investigar as causas desses abortamentos para que seja escolhido o tratamento mais adequado em cada caso, com isso é possível passar por uma nova gestação de forma saudável.

Na fertilização in vitro (FIV), considerada a técnica mais eficiente da reprodução assistida, é possível realizar uma análise genética dos embriões.

Durante o desenvolvimento do embrião, é possível realizar uma biópsia para identificar os distúrbios genéticos que podem causar o abortamento e com isso selecionar os embriões viáveis para a implantação.

Em casos de abortos de repetição por causas além de genética, é necessário que a paciente realize o tratamento do problema antes que o casal possa realizar o procedimento da FIV para engravidar.

Cada caso deve ser avaliado individualmente e suas causas investigadas para que o tratamento adequado seja aplicado e o casal possa passar tranquilamente pelo processo da gravidez.

Conheça mais sobre o aborto de repetição, suas causas e possíveis tratamentos.

Veja também:
Espermograma: saiba quando ele é solicitado

A infertilidade masculina está ligada a alterações de origem genética ou adquirida que podem afetar […]

Leia +
E-book:
Last E-book Manual da Gestante Baixe grátis

Compartilhe:

Deixe seu comentário
Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Scroll